Center for a Stateless Society
A Left Market Anarchist Think Tank & Media Center
Para o governo, resolver crises é trabalho divino

Após anos de subsídios ao consumo de energia elétrica, que curiosamente beneficiam a manufatura com aplicação intensiva de capital, o governo decidiu que em 2015 as contas de energia elétrica no Brasil vão encarecer em 30%. De fato, 30% é a projeção otimista do ministro de Minas e Energia Eduardo Braga. É provável que os reajustes cheguem a 40% em média, mas o ministro, como de praxe na administração dilmista, prefere navegar por bravatas até que a realidade torne a narrativa do governo insustentável.

Já foram feitos novos acréscimos à conta de luz dos brasileiros, na forma das “bandeiras”, que representam os custos extras da geração de energia para cada região. Grandes nacos do território brasileiro estão agora sob a bandeira “vermelha”, que informa que a geração de energia na região é suplementada por termelétricas cujo custo de operação é mais alto.

Além do aumento, os brasileiros também convivem agora com frequentes apagões, rotineiros já em janeiro de 2015. É como se tivéssemos voltado no tempo para 2001, quando por uma hora todos os dias a energia era cortada. Em 2005, Lula afirmava, em mais um de seus discursos megalomaníacos recheados de “nunca antes na história deste país”, que “nunca mais” ocorreriam apagões no Brasil. Ele não teve clarividência suficiente nem para terminar seu governo sem apagões. Em 2007, dois estados ficaram no escuro. Em 2009 quase todo o Brasil ficou sem energia e Lula respondia que as novas faltas de luz só dependiam “de Deus”. Desde então, Deus aparentemente ordenou vários apagões todos os anos no país.

Em 2015, os petistas ainda depositam todas as suas fichas na benevolência divina, que tem que fazer chover para que as hidrelétricas possam gerar energia para o povo. Não é surpreendente para um governo cujo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação acredita que o aquecimento global é uma ferramenta de controle dos países pobres pelo imperialismo. Para o governo atual, qualquer intervenção do homem na natureza parece ser misteriosa e imprevisível em suas consequências.

À crise de geração de energia se soma também a crise do abastecimento de água. A seca em São Paulo já leva ao racionamento. Outra coisa curiosa é que 70% da água fornecida pelos reservatórios que minguam vai direto para o consumo do altamente subsidiado agronegócio brasileiro. E 22% vai para o altamente subsidiado parque industrial paulista. Os 8% restantes são consumidos pelas residências, sempre forçadas a fazer os maiores cortes em consumo.

Os subsídios ao agronegócio ainda têm efeito indireto sobre o fornecimento de água. O cultivo de áreas do cerrado, que necessitam de uso intensivo de água, e a apropriação de terras na Amazônia, limitando a evapotranspiração das árvores, também influenciam na estiagem paulista. Evidentemente, os petistas, cuja aliança com os ruralistas está selada pela presença de Kátia Abreu no Ministério da Agricultura, não pretendem fazer nada quanto ao problema.

O que mais impressiona no discurso das diversas esferas de governo é que, neles, a natureza parece ser indomável e imprevisível. Qualquer medida que envolva projeções futuras é completamente absurda e inviável para o governo — que, evidentemente, funciona em ciclos de 4 em 4 anos e qualquer medida tomada só é capaz de solucionar os problemas até o fim do mandato. Se falta água para as hidrelétricas, nada se pode fazer a não ser rezar para que as chuvas restaurem os níveis das barragens. Se falta água potável, somente a natureza pode reabastecer os reservatórios. Como uma tribo para quem qualquer influência humana sobre o clima é anátema, a única solução proposta pelo governo é sempre um apelo à sorte e à graça divina.

Os políticos brasileiros devem ter cuidado, porém. A graça divina periodicamente atende os chamados de chuva. E com a dádiva das chuvas, periodicamente as cidades brasileiras são inundadas e centenas de pessoas morrem e ficam desabrigadas. Embora isso ocorra anualmente, sem falta, para o governo as enchentes são imprevisíveis. O jeito, é claro, é rezar por chuvas. Mas não tantas.

Citations to this article:

Markets Not Capitalism
Organization Theory
Conscience of an Anarchist