Matar-nos com Gentileza

The following article is translated into Portuguese from the English original, written by Kevin Carson.

Depois do culto do estado policial e de segurança nacional dos anos Bush é agradável ter nosso estatismo de segurança nacional criticado por tantas almas sensíveis favoráveis a mudança. Os Reaganitas e neoconservadores mandavam capangas de uniforme para dar pauladas nas cabeças das pessoas, tanto domesticamente quanto no exterior porque, vocês sabem, eles eram todos malvados e coisas da espécie. Já os Democratas fazem isso porque se preocupam.

Vejam só a decisão da administração Obama de dar a um navio de carga da Marinha o nome do ativista de direitos civis assassinado Medgar Evers. Seria possível imaginar a administração Bush fazendo algo assim? Ela provavelmente teria dado ao navio o nome de alguma figura belicosa da história naval. Obama não. Se nosso progressista Comandante-em-Chefe fizer chover morte vinda dos céus sobre o Irã (só porque terá sido obrigado a fazê-lo, para “deter a agressão deles,” sabem como é), aqueles lá em baixo poderão consolar-se com saber que não apenas estarão sendo queimados vivos por ordem de um progressista e não de algum sórdido velho direitista — como com saber que a munição vem como cortesia de Medgar Evers!

Isso sim é que é mudança na qual dá para acreditar! Mal posso esperar pela bomba batizada de Martin Luther King, Jr. Ou talvez possam dar a todos os aviões não tripulados que matam cidadão estadunidense sem julgamento os nomes de Thoreau, Howard Zinn, Gandhi, ou Utah Phillips.

E os sujeitos tirados de seus acampamentos do Ocupem em todo o país nos últimos dias com gás, spray de pimenta e cassetetes deveriam sentir-se melhor não apenas por pelo menos dois dos ataques (em Oakland e Portland) terem sido ordenados por prefeitos de impecáveis credenciais progressistas — mas também por estes até terem recebido útil aconselhamento de bacorinhos progressistas do Departamento de Segurança da Pátria e do FBI do Sr. “¡Sí Se Puede!”(*). (* Sim, podemos (mudar), em espanhol – Palavras do slogan de campanha do hoje Presidente Barack Obama.)

Isso mesmo! A Prefeita Quan disse que, logo antes de mandar suas esclarecidas e atenciosas tropas de choque para limpar o Ocupem Oakland, estava numa audioconferência de dezoito cidades discutindo como administrar a situação Ocupem. Melhor ainda, de acordo com Rick Ellis do Minneapolis Examiner, com base numa “conversa de bastidores” com uma autoridade anônima do Departamento de Justiça:

“… órgãos locais da polícia receberam recomendação de encontrarem algum motivo legal de expulsar residentes de cidades de tendas, recorrendo a leis de zoneamento e regras já existentes de toque de recolher. Foi também recomendado aos órgãos que fizessem maciça demonstração de força da polícia, incluindo grande quantidade de equipamento de controle de distúrbios. Em particular, o FBI teria recomendado relações com a imprensa, com uma apresentação sugerindo que quaisquer manobras para despejar manifestantes fossem coordenadas para ocorrer em horário quando a imprensa pelo menos provavelmente estivesse presente.”

Posteriormente, a Prefeita Quan negou que as cidades tivessem “coordenado” suas incursões; ela apenas “falara com outros prefeitos para compartilhar experiências.” Vejam, é o tipo de coisa que você só pode obter de um Democrata. Ela não falou com eles acerca de como descer o pau na cabeça das pessoas, ao contrário do que faria um velho Republicano mal-humorado. Ela “compartilhou experiências,” como uma californiana da Nova Era!

Obviamente, aqueles de nós do Sul estamos bem familiarizados com reuniões informais de autoridades do governo para “compartilhar experiências.” Como quando diversos delegados de condado se reúnem para um churrasco na casa do executivo do condado, por exemplo. E enquanto eles se sentam por ali compartilhando experiências e tal, por acaso surge o assunto — digamos — que ótimo parque industrial poderia ser construído nas pastagens do Tio Billy Bob. Perfeitamente legítimo — não é o que Oprah chama de Lei da Atração?

Assim gente do mundo todo, desde manifestantes de Oakland a festas de casamento no Afeganistão, está descobrindo o que significa a tal Esperança e Mudança(*). Essas balas progressistas ferem tão menos, não ferem? (* Ver o Esperança e Mudança de Obama por exemplo em http://fellowshipofminds.wordpress.com/2011/06/20/how-are-you-liking-that-hope-change/)

Artigo original afixado por Kevin Carson em 19 de novembro de 2011.

Traduzido do inglês por Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme.

Free Markets & Capitalism?
Markets Not Capitalism
Organization Theory
Conscience of an Anarchist