Center for a Stateless Society
A Left Market Anarchist Think Tank & Media Center
Obama quer derrotar o Estado Islâmico — mas não tanto
The following article is translated into Portuguese from the English original, written by Kevin Carson.

A administração Obama recentemente anunciou uma política de intervenção limitada no Iraque, usando ataques com drones para impedir a conquista de áreas curdas autônomas pelo Estado Islâmico (ISIS). O aliado principal dos Estados Unidos na região é o Governo Regional do Curdistão liderado por Massoud Barzani e o suporte americano contra o Estado Islâmico se limita às áreas curdas dentro do Iraque.

O concorrente principal de Barzani pela lealdade do povo curdo é Abdullah Ocalan, o líder do Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), que é ativo em todos os quatro países com minorias curdas significativas.

Quando liderava o PKK, que era originalmente marxista-leninista, de dentro de uma prisão na Turquia, Ocalan estudou o trabalho do anarquista Murray Bookchin e adotou uma variação de sua filosofia “municipalista libertária” (que ele denominou “confederalismo democrático”). A filosofia de Bookchin chamou a atenção de Ocalan no meio de uma onda de interesse no pensamento libertário socialista entre os nacionalistas curdos após a queda da União Soviética. Ocalan via o confederalismo democrático — também influenciado por lutas horizontalistas como a do EZLN mexicano — como alterativa ao capitalismo corporativo ocidental e à economia de controle soviética.

O confederalismo democrático se tornou a base para o Grupo de Comunidades no Curdistão, uma tentativa do PKK de administrar territorialmente as áreas curdas. Trata-se de um modelo muito próximo às democracias diretas federadas buscadas por Bookchin, espelhadas na Comuna de Paris, nos sovietes que surgiram na Rússia depois da Revolução de Fevereiro e nas células anarquistas locais da Revolução Espanhola. A economia é governada por uma mistura de autogestão pelos trabalhadores e planejamento participativo. As mulheres são importantes nas unidades municipais e de milícia e têm lutado valentemente — por motivos compreensíveis — contra o Estado Islâmico.

O PKK é listado ainda como uma organização terrorista por conta de sua insurreição violenta contra o governo turco, embora tenha mantido uma trégua com a Turquia durante o ano passado e tenha ganho significativa autonomia territorial nas áreas curdas do leste turco. Desde a trégua, o PKK moveu a maior parte de suas milícias para o Curdistão iraquiano em abril.

O apoio ao PKK seria provavelmente muito mais efetivo se Obama realmente quisesse parar a penetração do Estado Islâmico no Curdistão iraquiano, especialmente dada a paz do partido com a Turquia e a independência de facto das áreas curdas no nordeste da Síria. O PKK e milícias aliadas na Síria têm tido muito mais sucesso militar contra as forças do Estado Islâmico do que o Exército Livre da Síria, que é apoiado pelo Ocidente. O PKK defendeu as áreas dos Yazidis do Curdistão iraquiano e realocou os civis em risco quando as forças Peshmerga de Barzani se dissolveram. Os combatentes do PKK da Turquia evitaram a queda de Kobane no Curdistão sírio, que está além das linhas de comunicação entre as áreas do Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Ocalan e o PKK, ao contrário de Barzani, têm apoio popular em todo o Curdistão, não só na sua região iraquiana.

Isso tem pouca probabilidade de acontecer, porém. A única coisa pior que uma vitória do ISIS, para o estado americano seria uma demonstração da alternativa tanto ao capitalismo corporativo quanto ao socialismo de estado, baseada no descentralismo, na democracia direta e na autogestão.

O Curdistão tem muito em comum com a Coreia do pós-guerra. No vácuo de poder deixado pela saída das forças japonesas da península coreana, como escreve o companheiro de C4SS William Gillis (“Mass Graves“, reproduzido no Austro-Athenian Empire, 25 de maio de 2008), “algo incrível aconteceu. Os anarquistas coreanos, defensores de longa data das lutas de resistência, surgiram e formaram uma federação nacional de conselhos municipais e de trabalhadores para supervisionar um projeto enorme de reforma agrária”. As autoridades de ocupação soviéticas no norte rapidamente impediram o projeto, liquidando o projeto anarquista e instalando o regime de Kim. As forças americanas foram significativamente mais lentas, dando à Coreia um intervalo de paz e liberdade. Ao chegarem, porém, os comandantes militares americanos “não tinham protocolos para lidar com federações regionais e comunas anarquistas”. Assim, eles restauraram a propriedade das terras para a aristocracia expropriada e ajudaram os senhores a estabelecerem um governo militar. Com o começo da Guerra da Coreia, o assassinato dos anarquistas e de outros esquerdistas pelo regime militar, que já ocorria antes, foi multiplicado. Pelo menos 100 mil suspeitos anarquistas, socialistas e comunistas ou simpatizantes foram enterrados em valas comuns.

O estado americano preferiria que o ISIS não vencesse. Mas, assim como os fazendeiros em A Revolução dos Bichos de George Orwell, os homens têm um interesse em comum com os porcos que passa por cima de todos os outros: eles não querem que os “animais” — ou seja, as pessoas comuns — governem a si mesmos.

Traduzido por Erick Vasconcelos.

Citations to this article:

Markets Not Capitalism
Organization Theory
Conscience of an Anarchist