Ciberativismo libertário

No dia 28 de julho, a Folha de S. Paulo divulgou matéria denunciando que onze computadores do governo federal foram usados para alterar páginas da Wikipédia, de 2008 até 2014. Os IPs registrados em nome da Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) e da Presidência da República editaram artigos que tratavam sobre aliados e opositores do atual governo, seja para acrescentar elogios ou suprimir críticas e vice-versa. Mais recentemente, em 12 de agosto, a revista Exame afirma que foram feitas 256 intervenções na Wikipedia por computadores conectados à rede Wi-Fi do Palácio do Planalto.

Controlar o conhecimento, a informação e a narrativa histórica sempre foi uma forma de exercer poder e arregimentar apoio popular, afinal são os vencedores que contam a história. Como a política funciona na base da obtenção e perpetuação do poder, sempre foi necessário persuadir as massas de que o sistema vigente é justo e deve ser mantido, ou que determinado grupo “merece” o poder, de modo a sufocar insatisfações.

Na extinta União Soviética, Stalin “apagou” dissidentes de fotos tiradas na época de seu antecessor, Lênin. No Brasil, Getúlio Vargas apresentou-se como um salvador das expressões culturais negras e populares pelo apoio (seletivo e controlador) de sua política cultural, relegando ao esquecimento como associações recreativas, esportivas, carnavalescas e dançantes da população negra e pobre das cidades, especialmente na capital.

A expressão máxima reescrita da história política e no controle da informação é foi contada em 1984, de George Orwell, que retrata um estado totalitário que a todos vigia, “o grande irmão”. No mundo ficcional, foi criada a novilíngua, um idioma cujo objetivo era o de oferecer um meio de expressão para a cosmovisão da ideologia dominante, impossibilitando outras formas de pensamento, de modo que a divergência seria literalmente impensável.

Os políticos sempre foram levados à manipulação, mas agora têm espaço para tenta-la. E o motivo são os avanços na tecnologia da informação, principalmente com a internet.

A recente tentativa do governo federal em editar artigos da Wikipedia é débil, comparada às tentativas do passado. A internet é a maior tecnologia para defender a liberdade de expressão, de pensamento e de imprensa. Pode-se manipular um site, mas não todos.

A Wikipedia, especialmente em inglês, é um excelente exemplo de como colaboração aberta e cooperação voluntária podem contribuir de forma positiva. O projeto utiliza o conhecimento presente em milhares de mentes em todo o planeta e disponibiliza esse volume enorme de informações para qualquer um com conexão à internet. Nenhum governo poderia fazer algo semelhante.

O governo federal tentou manipular alguns dos artigos da Wikipédia em língua portuguesa para seus próprios fins, alheios àquele que o site se propõe, mas seu intento revelou-se fugaz: as edições foram sendo retiradas por outros colaboradores da enciclopédia virtual, por violarem os termos de uso.

E, para deixar o estado brasileiro ainda mais vigiado, foi criada uma conta no twitter, @brwikiedits, que se descreve como “Bot cidadão que monitora alterações ao Wikipédia a partir do Senado, STF, Câmara, Serpro, Proc. Geral da República, Dataprev, Petrobras, BCB, BB e Caixa”. Já conta com vários exemplos de páginas editadas por servidores ligados ao governo, o que é, de fato, preocupante. Mais recentemente, foi criada também a página do Facebook.

Precisamos de mais dessa atitude em nosso país, de uma consciência ciberlibertária que se oponha veementemente à interferência do governo na internet. O cyber-libertarianismo é um ativismo que já tem rendido resultados muito interessantes, como a proteção da privacidade na internet contra a vigilância governamental por meio da criptografia da comunicação online e o reforço da economia P2P, sem passar por grandes corporações regulamentadas pelo governo, por intermédio de transações virtuais em criptomoedas fora do controle governamental, dentre as quais se destaca o bitcoin. O @BRWikiedits é uma iniciativa brasileira bem-vinda nesse cenário.

A aprovação recente do Marco Civil no Brasil, com pouca discussão da sociedade e apoio unânime do congresso (a serviço de quem?), prova a necessidade de maior ativismo virtual.

O governo não pode aumentar seu controle sobre os meios virtuais em detrimento da liberdade da informação, a maior garantia contra a reescrita da história e da liberdade de pensamento.

Free Markets & Capitalism?
Markets Not Capitalism
Organization Theory
Conscience of an Anarchist