A Ideologia Oficial Parasitária das Crenças dos Dominados

Scott porém não vai longe o bastante. Vai longe demais em sublinhar a dependência de ideologias de resistência de conteúdo recuperado de ideologias de dominação, e em seguida negligencia o inverso.

Por definição, temos tornado a transcrição pública da dominação ontologicamente anterior à transcrição oculta, invisível à plateia. O resultado de assim fazermos é enfatizar a qualidade reflexa das transcrição oculta como trabalho de neutralização e negação. Se pensarmos, em termos esquemáticos, da transcrição pública como compreendendo omínio de apropriação material…, domínio de controle e subordinação pública…, e, finamente, domínio de justificativa ideológica de desigualdades…, então poderemos talvez pensar da transcrição oculta como compreendendo as respostas e réplicas, invisíveis à plateia, àquela transcrição pública. [94]

Sem embargo, os movimentos de oposição não meramente recuperam os símbolos e valores da ideologia dominante como arma contra o sistema de poder. A ideologia dominante ela própria foi criada, antes de tudo, mediante apelo a símbolos e valores preexistentes que possuíam ressonância na cultura mais ampla.

Bom exemplo é o modo pelo qual a literatura e a polêmica Federalista, durante os debates de ratificação a propósito da proposta Constituição dos Estados Unidos em 1787-1788 tentaram vender dita Constituição ao público cético em tremos do sistema prevalecente de valores anglorrepublicano.

James Scott argumenta que um dos motivos do rápido avanço do marxismo no seio da classe trabalhadora do século 19 foi sua poderosa ressonância junto a essa prévia visão judaico-cristã da história:

É impossível ler o Manifesto Comunista sem percebermos o quanto ele deve, normativa e estruturalmente, ao pensamento escatológico cristão: um mundo aviltado de opressão e pecado, uma crise que se aprofunda, uma colisão final entre bem e mal, o triunfo do bem, a sociedade perfeita, e o fim da história. Nesse contexto, o apelo do socialismo para a classe trabalhadora ocidental só poderá ter estado assentado, em alguma medida, em o quão impecavelmente terá ele trilhado a narrativa milenária do cristianismo com a qual aquela classe já estava familiarizada. [95]

Os Trabalhadores Industriais do Mundo – Wobblies, analogamente, provavelmente deveram considerável parcela de sua rápida disseminação a adoção de estilo de propaganda muito parecido com o do Exército de Salvação, baseado em bandas nas esquinas das ruas e em discursos em palanques improvisados; muitas das músicas de organização dos Wobblies foram paródias deliberadas de hinos do Exército de Salvação.

Notes: 

94 Scott, Domination and the Art of Resistance, p. 111.

95 Scott, A Arte de Não Ser Governado, p. 400n.

Free Markets & Capitalism?
Markets Not Capitalism
Organization Theory
Conscience of an Anarchist