Center for a Stateless Society
A Left Market Anarchist Think Tank & Media Center
Como será uma sociedade sem estado?

Visualizamos um mundo sem privilégio, exploração ou dominação. Um mundo sem coerção institucionalizada, chacina e injustiça. Em suma, Liberdade (*). (* Liberty – Liberty é o estado de ser livre, dentro da sociedade, de restrições opressoras, impostas por autoridade, ao estilo de vida, comportamento ou pontos de vista políticos da pessoa. – Ver Oxford PRO online.)

Entretanto, os aspectos específicos de como será uma sociedade sem autoridade política centralizada são muito mais difíceis de prever. Um dos principais argumentos em favor da liberdade(*) na tradição liberal clássica foi originalmente proposto por F.A. Hayek no que tornou-se conhecido como “o problema do conhecimento.” Ele argumentou que nenhum indivíduo isolado, ou nenhum grupo de indivíduos, detém toda informação econômica indispensável para o planejamento de um sistema econômico (ou, potencialmente, de qualquer sistema social). Assumir esse simulacro de conhecimento é incorrer na fatal presunção do construtivismo racional. Para funcionarem de modo eficaz e seguro, os sistemas requerem uma abordagem descentralizada — economicamente falando, isso significa os indivíduos tomarem decisões por si próprios e intercambiarem sua produção legítima voluntariamente a bem de ganho mútuo, o que resulta no sistema de preços. (* Freedom – Freedom é o poder de a pessoa agir, falar ou pensar o que quiser sem tolhimento ou restrição. – Ver Oxford PRO online.)

Visto que os anarquistas de mercado reconhecem que instituições consensuais serão inevitavente delineadas pelo mercado e por outras forças sociais, podemos dizer que o problema do conhecimento de Hayek, numa sociedade sem estado, terá impacto até sobre a “governança(*)” no sentido de como empreendimentos proporcionem resolução de disputas e serviços de segurança. Não podemos prever os detalhes de como pessoas livres optarão para organizar o suprimento desses serviços. As formas de tal organização constituirão assunto em aberto, sujeitas a livre experimentação e a resultante diversidade. (* governance – O Oxford PRO online define a palavra ‘governance’ como ação ou modo de governar; já o iAulete online define ‘governança’ apenas como  ação de governar e dá como sinônimos ‘governação’ e ‘governo’.)

Ademais, Anarquismo: Necessário mas não Suficiente, de Anna Morgenstern, e Feminismo Libertário: Pode Este Casamento Ser Salvo? de Charles Johnson e Roderick Long argumentam que, mesmo depois de a opressão do controle pelo estado ser superada, formas culturais de opressão não conexas com o estado ainda remanescerão, necessitando imprescindivelmente ser questionadas e superadas. O estatismo é o maior dos obstáculos, mas não é o único que precisaremos confrontar num mundo sem estado.